domingo, 28 de maio de 2017

Karingana Wa Karingana - Descortinando José Craveirinha (poeta)


Baía de Maputo, Moçambique 

Quando o poeta nasce, se espalha. Ele nasce como todos e um dia descobre que tem olhos defeituosos, não consegue enxergar as cores como todos, não vê tons de peles como separação, a vida totalmente cinza, situações pretas. Muitas vezes pensam que ele tem olhos de gato, pois vê tudo, onde outros só vêm nada. Por isso ele luta contra quem açoita qualquer virtude humana, nunca deixando que outro de seu igual, lhe diga que é inferior. Ele resiste e mostra com atitudes e as palavras advindas, do que é feito o poeta.

Karingana wa karingana, José Craveirinha...

Joakim Antonio



KARINGANA UA KARINGANA*

Este jeito
de contar as nossas coisas
à maneira simples das profecias
— Karingana ua Karingana —
é que faz o poeta sentir-se
gente.

E nem
de outra forma se inventa
o que é propriedade dos poetas
nem em plena vida se transforma
a visão do que parece impossível
em sonho do que vai ser.

— Karingana!


*Obs. Fórmula clássica de iniciar um conto e que possui o mesmo significado de “Era uma vez”.



José João Craveirinha (Lourenço Marques, 28 de Maio de 1922 — Maputo, 6 de Fevereiro de 2003) é considerado o poeta maior de Moçambique. Em 1991, tornou-se o primeiro autor africano galardoado com o Prémio Camões, o mais importante prémio literário da língua portuguesa.

Autobiografia
«Nasci a primeira vez em 28 de Maio de 1922. Isto num domingo. Chamaram-me Sontinho, diminutivo de Sonto. Isto por parte da minha mãe, claro. Por parte do meu pai, fiquei José. Aonde? Na Av. Do Zihlahla, entre o Alto Maé e como quem vai para o Xipamanine. Bairros de quem? Bairros de pobres.
Nasci a segunda vez quando me fizeram descobrir que era mulato…

A seguir, fui nascendo à medida das circunstâncias impostas pelos outros.

Quando o meu pai foi de vez, tive outro pai: seu irmão.

E a partir de cada nascimento, eu tinha a felicidade de ver um problema a menos e um dilema a mais. Por isso, muito cedo, a terra natal em termos de Pátria e de opção. Quando a minha mãe foi de vez, outra mãe: Moçambique.

A opção por causa do meu pai branco e da minha mãe preta.

Nasci ainda outra vez no jornal O Brado Africano. No mesmo em que também nasceram Rui de Noronha e Noémia de Sousa.

Muito desporto marcou-me o corpo e o espírito. Esforço, competição, vitória e derrota, sacrifício até à exaustão. Temperado por tudo isso.

Talvez por causa do meu pai, mais agnóstico do que ateu. Talvez por causa do meu pai, encontrando no Amor a sublimação de tudo. Mesmo da Pátria. Ou antes: principalmente da Pátria. Por parte de minha mãe, só resignação.

Uma luta incessante comigo próprio. Autodidacta.

Minha grande aventura: ser pai. Depois, eu casado. Mas casado quando quis. E como quis.
Escrever poemas, o meu refúgio, o meu País também. Uma necessidade angustiosa e urgente de ser cidadão desse País, muitas vezes, altas horas a noite.» Fonte: Wikipédia
Obs.: Optei por deixar apenas as próprias palavras de José Craveirinha, pois há muito na rede para se pesquisar sobre ele, para um começo indico o ótimo site do poeta Antonio Miranda

Imagem usada na montagem: Radiating glow by Grevys, Baía de Maputo, Moçambique

2 comentários:

  1. Quando o poeta nasce ele se espalha... bem isso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por isso tu vive se espalhando pelo ar!

      Obrigado, poeta!

      Beijos

      Excluir

"Quando escrevo minhas idéias tornam-se a pena e minha alma a tinta, por isso quando você lê, você me sente."

Deixe-me saber o que você sente.

Obrigado por comentar!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...